Línguas artificiais? Elas, de fato, existem?

Línguas artificiais?

Prática milenar, hoje as línguas artificiais mais famosas são as que apareceram no cinema. Há, por exemplo, as língua élficas de Senhor dos Aneis e dos na´vi, em Avatar. A elaboração das chamadas conlangs revela um desejo antigo dos intelectuais ocidentais: o de criar um sistema perfeito, uma língua totalmente simétrica, diferentemente das línguas naturais, essencialmente flexíveis a variações e mudanças.

Geralmente, tais construtos são baseados em línguas mortas como o caso do finlandês antigo, fonte para as línguas produzidas por Tolkien. Também podem ser produto de línguas vivas, pois Paul Frommer mesclou a língua japonesa a algumas estruturas das línguas polinésias (embora não o assuma).

Mas, afinal, uma língua artificial pode se tornar real?

Ou seja, ela pode passar a ser falada por muitos falantes e se consolidar numa comunidade? O caso da inserção do hebraico no Estado de Israel permite dizer que sim. Porém, houve inevitáveis alterações da língua proposta e do uso que os falantes vão fazendo ao longo tempo. Portanto, ela não será mais algo artificial, pois passará a conter palavras polissêmicas, variações entre os diferentes grupos, etc.
Essa discussão é interessante, porque descrições muito lógicas das línguas naturais tendem a jogar muito do quotidiano das mesmas por debaixo dos panos. A maioria dos gramáticos faz isso ao tentar evitar que as pessoas usem certas estruturas. Entretanto, vale lembrar que é muito difícil processar uma língua como ela é num software, para poder usá-la num corretor ou revisor automáticos, por exemplo. Os falantes, mesmo sem se entenderem perfeitamente, conseguem se comunicar! As línguas naturais são tão flexíveis que podem possuir palavras default. Quantos seriam os significados da palavra coisa?


Há um livro de Umberto Eco (O nome da rosa) tratando especialmente da utopia milenar sobre a criação de uma língua perfeitamente lógica:

http://www.livrariacultura.com.br/scripts/resenha/resenha.asp?nitem=561286&sid=77991023314212652515603932

 

Veja uma entrevista de Paul Frommer na íntegra, comentando sobre o projeto Avatar. Curiosamente, ele atenta para as intervenções do diretor James Cameron:

http://usoproject.blogspot.com/2009/11/interview-with-paul-frommer-alien.html

A linguísta canadense Sonja Elen Kisa, ironicamente, criou uma língua artificial altamente polissêmica:

http://kisa.ca/oou.html

3 comentarios en “Línguas artificiais? Elas, de fato, existem?

  1. Naomi-chan dijo:

    Existem outras línguas artificiais conhecidas, como o Klingon (língua criada para uma espécie de alienígena no universo de Star Trek) ela tem características semelhantes a línguas germânicas, existe material, livros, grupos de pessoas que falam a língua, até mesmo um sistema operacional que utiliza apenas o klingon. Existe ainda dentro de scifi a língua minbari, pouco difundida (do seriado Babylon 5).

    Me gusta

Responder

Introduce tus datos o haz clic en un icono para iniciar sesión:

Logo de WordPress.com

Estás comentando usando tu cuenta de WordPress.com. Cerrar sesión /  Cambiar )

Google+ photo

Estás comentando usando tu cuenta de Google+. Cerrar sesión /  Cambiar )

Imagen de Twitter

Estás comentando usando tu cuenta de Twitter. Cerrar sesión /  Cambiar )

Foto de Facebook

Estás comentando usando tu cuenta de Facebook. Cerrar sesión /  Cambiar )

Conectando a %s